Loading...
Menu


A LAVRAR O MAR Cooperativa Cultural CRL. foi fundada em 2014 com o nome de COSANOSTRA Cooperativa Cultural, que entretanto se veio a alterar para o seu nome actual. A sua missão centra-se no desenvolvimento de projectos artísticos e culturais em Portugal.
Focamo-nos na prática das artes performativas contemporâneas e no modo como estas se relacionam com os diferentes contextos sociais, territórios e realidades culturais. Os nossos programas culturais assumem diferentes formas, dimensões e durações. A cooperativa tem trabalhado maioritariamente em Portugal, mas também na Austrália, em Itália e Cabo Verde.

O objecto da nossa actividade pode ser resumido por:

  • · Criações artísticas e produções em teatro, dança, música, novo circo, estabelecendo-se muitas vezes pontes interdisciplinares;
  • · Pesquisa nas artes performativas;
  • · Programação cultural;
  • · Edição de música e literatura;
  • · Direcção artística de festivais, temporadas de teatro e diversos programas culturais;
  • · Desenvolvimento de conceitos e implementação de projectos comunitários artístico-educativos.


Neste momento, o nosso trabalho foca-se numa zona rural, com baixa densidade populacional, no sudoeste de Portugal, em Aljezur, Monchique, Odemira e Santiago do Cacém. O objectivo é assegurar uma actividade cultural de alta qualidade, que age em profundidade, de modo a desenvolver uma dinâmica cultural regular e a longo prazo. Trabalhamos com uma jovem equipa de profissionais que quiseram deixar os seus estilos de vida urbanos para vir trabalhar na construção desta iniciativa.

Giacomo Scalisi e Madalena Victorino são os directores artísticos da cooperativa LAVRAR O MAR.

Projectos





LAVRAR O MAR - as artes no alto da serra e na costa vicentina, é um projecto artístico e cultural criado em 2016 pela Cooperativa LAVRAR O MAR financiado pelo programa 365 Algarve, pela Direcção Gerald as Artes, pelo programa Crescalgarve 2020 e pelos municípios de Aljezur e de Monchique que abrange a região sudoeste portuguesa do Algarve.

A Costa Vicentina é um parque natural com 110 km de extensão, possuindo uma paisagem única repleta de montanhas, florestas de pinheiros e sobreiros, campos agrícolas, falésias e o oceano. A diversidade da fauna e flora e a preservação da natureza são uma das principais preocupações das populações locais.

Lavrar o Mar promove as artes performativas contemporâneas: dança, música, teatro performance e novo circo, convidando companhias europeias e nacionais a apresentar obras que estão a circular pela Europa e Portugal e que de alguma forma, estão ligadas aos temas do nosso pensamento artístico. Não existem teatros neste território, mas respira-se um ambiente natural deslumbrante. O nosso programa convida artistas e públicos a experimentar a transformação dos ambientes naturais em espaços de apresentação artística. Esses espaços naturais de actuação informam as obras de arte de forma a que o resultado seja muito singular, uma mistura entre arte e natureza, onde a luz, os cheiros, a ruralidade e a vida do mar, resultam em experiências estéticas e sensoriais que se centram em assuntos como o fogo, o ar, a água e a terra. Procuramos locais menos conhecidos, tanto em terra como em ambientes aquáticos, como praias, portos de pesca, falésias altas e vistas deslumbrantes sobre o imenso Oceano Atlântico. Desde os tempos antigos, as pessoas que aqui vivem, trabalharam tanto a terra como o mar. Quando o mar não permite, elas voltam-se para a terra, arando e semeando.

Focamo-nos nesta dualidade e trabalhamos as artes do espectáculo, com o objectivo de envolver as populações locais portuguesas e estrangeiras, bem como muitos viajantes que agora descobrem esta região também através das artes.

O programa que desenvolvemos desde 2016 foi implementado em dois concelhos, um que tem o Oceano Atlântico como força maior: Aljezur; e o outro em plena serra: Monchique, a cerca de 900 metros de altitude acima do nível do mar.

No que diz respeito ao trabalho que realizamos, este tem duas dimensões: uma que é composta por residências onde os artistas estudam as culturas locais das tradições rurais e da água, identificando aspectos que desejam investigar para depois os transformarem artisticamente; e o outro que consiste em convidar espectáculos que de alguma forma estão ligados às temáticas do projecto.

Com este triângulo: arte, cultura e natureza, conseguimos desencadear nos últimos três anos, uma dinâmica cultural nova e que se vem enraizando no território através da realização regular de experiências artísticas únicas, que se constituem numa programação em época baixa e que ilumina com um outro tom, o outono, o inverno e a primavera desta costa e desta serra.




Um projecto de programação artística transdisciplinar nos concelhos de Santiago do Cacém e de Odemira.

Ver website





BOWING é um projecto de arte participativa, que tem como linguagens principais a dança, a música, o vídeo e as artes plásticas. O objectivo é a inclusão social e cultural das populações estrangeiras no território do sudoeste alentejano, através de laboratórios artísticos regulares e um momento performativo integrador. Partindo da relação com adultos trabalhadores das estufas de agricultura e alunos do 4° ao 9°ano, pretende-se criar pontes de comunicação entre estas populações e a portuguesa. Procuramos a compreensão e conhecimento das várias culturas e o desenvolvimento da língua portuguesa com o objectivo de aproximação. O projecto irá proporcionar momentos de bem-estar, confiança, alegria, curiosidade de aprender e o autoconhecimento através da prática artística. O BOWING pretende criar um sentimento de pertença e de relação com o território onde estão inseridos todos estes estrangeiros isolados, assim como a aceitação e a liberdade de expressão de cada pessoa individualmente.

Projecto apoiado pelo programa PARTIS & Art for Change, que é financiado pelas Fundações Calouste Gulbenkian e La Caixa; e pela Câmara Municipal de Odemira; e pelo fundo FEDER - para o Programa Operacional Regional do Alentejo 2014-2020; CCDR Alentejo 2020.

Ver website





Miragem é um projecto artístico e pedagógico que, desde 2014, traz às várias escolas e infantários do concelho de Odemira (considerado o maior, o mais isolado e disperso do país), a alunos dos 3 aos 18 anos, uma programação de espectáculos entre a dança, o teatro, a música, a literatura, a cultura local, a experimentação artística, entre muitas outras áreas, procurando sempre ligações às matérias curriculares dos diversos anos escolares.

Miragem está inserido no programa ODETE - Odemira, Território Educativo e vai neste momento na sua 7ª edição. Projecto financiado pela Câmara Municipal de Odemira..





Touro Azul é um programa de Experiências Humanas entre Cultura Local e Arte. Percursos pelas paisagens, localidades e ambientes privados, com durações entre duas e sete horas, especialmente desenhados para oferecer ao turista que visita o território entre Santiago do Cacém e Sagres, a oportunidade de tocar numa terra cheia de serra e de água, pela mão de quem nela vive e a vai esculpindo. Uma iniciativa conjunta desenvolvida pela Cooperativa Lavrar o Mar, a Associação Rota Vicentina e a CACO – Associação de Artesãos do Concelho de Odemira em colaboração com habitantes locais, artesãos, associações, agentes e artistas.

__o que alcançámos

Estruturou-se esta programação em torno do binómio artes do espectáculo e cultura local, com o objectivo de envolver não somente populações locais de todas as idades, portuguesas e estrangeiras, como também viajantes e turistas, que ao chegar a este território, descobrem a cultura deste lugar através das artes, da sua pesquisa e prática, vendo a concretização dos projectos acontecer em plena natureza ou em espaços edificados, referenciais de uma cultura rural forte e identitária desta região.

Neste Algarve mais desertificado, longe das praias com grande afluência turística, temos vindo a contribuir para um fluxo de pessoas que chega atraído pelos nossos espectáculos e pela programação que apresentamos. Tendo como valor, desencadear uma dinâmica de fruição e experiência artística de grande qualidade e acessível a todos sem excepção, encontramo-nos agora no 4º ciclo de trabalho com o objectivo de que a acção já iniciada, testada e desenvolvida se possa sedimentar, consolidar e aprofundar de forma estruturada e duradoura para o futuro.

__o que queremos alcançar

Aprofundar o envolvimento de artistas com pessoas que vivem na região e a oportunidade do público conhecer aspectos menos óbvios da cultura local através de encontros significativos com as artes performativas.

Queremos prosseguir com esta programação que responde aos desafios deste programa: dinamizar local e transversalmente para atrair quem chega a visitar esta região através de uma programação artística que só aqui acontece, porque surge numa paisagem única, feita com as pessoas que a habitam e a esculpem quotidianamente.

Através da programação artística, procuramos promover o pensamento crítico e a reflexão colectiva dos grandes assuntos da actualidade, oferecendo ao público que nos visita novas visões e novas propostas para enfrentarmos os desafios do presente e do futuro, de Portugal e do mundo.

__equipa e colaboradores